Resumo do livro Casa de Pensão de Azevedo, Aluisio

Introdução

“Casa de Pensão” é uma obra literária escrita por Aluísio Azevedo, um dos principais autores do movimento naturalista no Brasil. Publicado em 1884, o livro retrata a vida em uma pensão no Rio de Janeiro do século XIX, explorando temas como a decadência social, a hipocrisia e a luta pela sobrevivência.

Contexto histórico e social

A história se passa em uma época marcada pela urbanização acelerada do Rio de Janeiro, com a chegada de imigrantes e a formação de uma sociedade cada vez mais diversa. A cidade, então capital do Império, passava por grandes transformações, refletindo as contradições de uma sociedade em transição.

Personagens principais

A obra apresenta um conjunto de personagens marcantes, cada um com sua história e personalidade única. Destacam-se:

  • João Coqueiro: dono da pensão, um homem rude e ganancioso;
  • Amélia: jovem e bela, que chega à pensão em busca de um futuro melhor;
  • Feliciana: empregada da pensão, uma mulher astuta e manipuladora;
  • Luís Garcia: estudante de medicina, apaixonado por Amélia e em conflito com suas origens humildes;
  • Leocádia: mulher madura e interesseira, que busca um casamento por interesse financeiro.

Enredo

O enredo de “Casa de Pensão” gira em torno das relações entre os personagens e das dificuldades enfrentadas por eles na busca por uma vida melhor. Amélia, a personagem central, é seduzida por Luís Garcia, mas acaba se envolvendo também com outros homens da pensão, como João Coqueiro e Leocádia.

Ao longo da narrativa, são abordados temas como a exploração da mulher, a corrupção e a decadência moral da sociedade. Azevedo retrata a vida na pensão como uma metáfora da sociedade brasileira da época, marcada pela desigualdade social e pela falta de oportunidades para os mais pobres.

Crítica social e naturalismo

“Casa de Pensão” é considerado uma das principais obras do movimento naturalista no Brasil. Azevedo utiliza uma linguagem crua e realista para retratar a vida nas camadas mais baixas da sociedade, denunciando as injustiças e os vícios presentes na época.

O autor também faz críticas à hipocrisia da sociedade burguesa, que se mostra moralmente correta, mas esconde seus próprios pecados e vícios. Através dos personagens, Azevedo revela o lado sombrio da sociedade e questiona as bases morais sobre as quais ela se sustenta.

Conclusão

“Casa de Pensão” é uma obra que retrata a realidade social do Rio de Janeiro no século XIX, com seus personagens complexos e suas histórias entrelaçadas. Aluísio Azevedo, através do movimento naturalista, denuncia as desigualdades e as injustiças presentes na sociedade da época, oferecendo uma crítica contundente e realista.

Com sua linguagem crua e suas descrições detalhadas, o livro nos transporta para uma época marcada pela luta pela sobrevivência e pela busca por um futuro melhor, deixando-nos reflexões sobre a condição humana e a sociedade em que vivemos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *