Resumo do livro O Peregrino de Jhon Bunyan

Introdução

O Peregrino é um romance alegórico escrito por John Bunyan em 1678. A obra segue a jornada de um personagem chamado Cristiano, que busca alcançar a Cidade Celestial.

A história é uma alegoria, ou seja, os personagens e eventos têm significados simbólicos e morais. O livro é dividido em duas partes, a primeira parte segue a jornada de Cristiano e a segunda parte segue a jornada de sua esposa, Cristina.

A Jornada de Cristiano

Cristiano começa sua jornada em uma cidade chamada Cidade da Destruição, onde ele é perseguido por seu pecado. Ele encontra um homem chamado Evangelista, que o orienta a seguir em direção à Cidade Celestial.

Cristiano enfrenta muitos desafios e obstáculos em sua jornada, incluindo a travessia do Rio da Morte e a luta contra o gigante Desespero. Ele também encontra amigos e aliados, como Fé e Esperança.

Os Personagens

Cristiano é o personagem principal da história, um homem que busca alcançar a salvação. Ele é acompanhado por outros personagens, como Fé e Esperança, que o ajudam em sua jornada.

Outros personagens importantes incluem o Sr. Mundo, que representa a tentação e a mundanidade, e Apollyon, o príncipe das trevas.

A Sequência de Eventos

A história começa com Cristiano recebendo um livro que o faz se dar conta de sua condição pecaminosa. Ele decide partir em busca da Cidade Celestial e encontra Evangelista, que o orienta em sua jornada.

Cristiano enfrenta muitos desafios e obstáculos, incluindo a travessia do Rio da Morte e a luta contra o gigante Desespero. Ele também encontra amigos e aliados, como Fé e Esperança.

No final da história, Cristiano alcança a Cidade Celestial e é recebido com alegria pelos anjos e pelos habitantes da cidade.

A Segunda Parte

A segunda parte da história segue a jornada de Cristina, a esposa de Cristiano. Ela também decide partir em busca da Cidade Celestial e enfrenta seus próprios desafios e obstáculos.

A segunda parte da história é uma continuação da primeira parte e segue o mesmo padrão de alegoria e simbolismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *